MyFuture.pt

Estás aqui:

Por que motivo é necessária uma nova abordagem da UE à educação e à formação?

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

O mundo mudou consideravelmente desde que os programas em vigor atualmente foram criados. A UE está numa fase de recuperação de um dos períodos económicos mais tumultuosos da nossa época. Cerca de 6 milhões de jovens estão desempregados na UE; porém, 36 % dos empregadores têm dificuldade em encontrar pessoas dotadas das competências de que eles necessitam. O défice de competências na Europa é alarmante, com quase 20% dos jovens de 15 anos de idade com falta de competências em leitura e 73 milhões de adultos com baixo nível de (ou sem quaisquer) habilitações.

O mercado europeu do trabalho está também a mudar. O número de empregos qualificados está a crescer, ao passo que o número de empregos pouco qualificados está a diminuir. Estima-se que, em 2020, quase 35% dos postos de trabalho exigirão um nível elevado de qualificações (equivalentes a qualificações de licenciatura). Um dos grandes objetivos da estratégia Europa 2020 é aumentar a percentagem de alunos que concluem o ensino superior para 40% (atualmente, são 36%). O programa Erasmus+ pode contribuir para este objetivo, ao ajudar as pessoas a enriquecer as suas competências, através de períodos de estudo e de formação no estrangeiro, e ao apoiar a inovação e a modernização das instituições de ensino e de formação.

Outro objetivo crucial a nível da educação consiste em reduzir a taxa de abandono escolar precoce dos atuais 12,7% para menos de 10%. Para contribuir para que esta meta seja alcançada, o Erasmus+ apoiará a modernização de todos os níveis de ensino e de formação, nomeadamente do ensino básico e secundário, da primeira infância até ao nível secundário e à formação profissional inicial. Será apoiada a aprendizagem não formal através de intercâmbios e do voluntariado.

A cooperação e as parcerias com as empresas também podem colmatar a lacuna existente a nível das competências, garantindo que os programas curriculares são pertinentes. Por conseguinte, o novo programa irá promover as parcerias transetoriais centradas nesta questão.

 

Fonte: europa.eu