MyFuture.pt

Estás aqui:

Histórias de sucesso no Ensino Profissional

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

leonordejesus ensinoprofissional

São de diferentes idades, regiões e áreas profissionais. Mas têm algo em comum: foi graças ao Ensino Profissional que alcançaram o sucesso. Fica a saber um pouco mais sobre os seus percursos.

 

André Rodrigues – Curso Profissional de Gestão Cinegética (Lisboa)
Treinador das águias do Sport Lisboa e Benfica

andrérodrigues ensinoprofissional

Nas asas de uma paixão
Desde criança que André se deslocava até à Senhora do Monte, na freguesia de Arruda-dos-Vinhos, para observar as diferentes espécies de aves de rapina. "Perdia muitas horas a olhar para ao céu", conta André, explicando: "sempre que lá ia com binóculos, via sempre alguma rapina a voar, fosse mais perto ou mais longe".
Na altura da escolher um percurso profissional, André escolheu as rapinas. Mais especificamente, o Curso Profissional de Gestão Cinegética, na Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Alter do Chão. Para trás, ficavam o ensino secundário em artes e a vida em Arruda dos Vinhos. Pela frente, um curso profissional a 200 quilómetros de casa e centrado na Gestão Cinegética – "uma palavra que, se calhar, apenas 10% da população conhece" – uma área que se relaciona com a caça sustentável.
Mais tarde, chegaria o Sport Lisboa e Benfica e o "melhor emprego do mundo", garante. Depois de terminar o curso profissional e um Curso de Especialização Tecnológica em Cuidados Veterinários, André recebeu um telefonema inesperado.
Do outro lado da linha, um responsável de uma empresa em que tinha estagiado no curso profissional trazia uma proposta. "Pensei que estava a sonhar ou que tinha ouvido mal". Contudo, a proposta era real: ser o responsável pelas águias do Sport Lisboa e Benfica. Quinze dias depois, André entrava no Estádio da Luz para conhecer as duas águias e "ficar responsável pelo voo que alguns milhões de pessoas conhecem".
Olhando, em retrospetiva, para o seu percurso, conclui que tudo isto foi possível graças a uma decisão tomada há nove anos atrás. "Olho para os objetivos que fui realizando", começa por dizer, concluindo: "o curso profissional foi a chave-mestra para todos os sonhos que realizei até hoje".

 

Nair Xavier – Curso Profissional de Design de Moda (Lisboa)
Criadora de Moda

nairxavier ensinoprofissional
Das bonecas à passerelle
A avó foi a primeira formadora de Nair Xavier. Começou pela técnica de cozer à mão: a roupa para as bonecas, o lenço do avô. "Sempre mexi na caixa das agulhas", conta. Aos 14 anos, Nair escolheu o curso profissional de Design de Moda, na Escola de Moda de Lisboa – Escola Profissional Magestil. Desde então, sucederam-se novas etapas e desafios: Londres, Moda Lisboa, coleções apresentadas, desfiles de nervosismo e ainda a sua própria marca que, espera, cresça durante os próximos anos. Na raiz, um elemento em comum, assegura: "tudo começou no curso – foi a base para tudo isto".

 

Luís Machado – Curso Profissional de Hotelaria, Restauração, Organização e Controlo (Lisboa)
Chef de Cozinha

luísmachado ensinoprofissional
A flor semeada em Salvaterra
Depois de entrar no Curso Profissional de Hotelaria, Restauração, Organização e Controlo, na Escola Profissional de Salvaterra de Magos, a cozinha rapidamente passou ao topo das prioridades de Luís Machado. "No curso, comecei a ganhar uma paixão pelo mundo da cozinha e o interesse foi crescendo – passou a ser a vertente em que quis apostar mais", conta. Ainda durante o curso, começou uma vida profissional ligada a esta área, criando, juntamente com alguns colegas, um grupo de catering que servia ao fim de semana. Depois de passagens por vários restaurantes e experiências como formador, surgiram os convites para integrar a revista Teleculinária – revista que lhe "abriu as portas a Portugal inteiro" – e para ser professor do Instituto Politécnico de Leiria, uma atividade que considera "diferente e gratificante". Olhando o seu percurso, assegura que uma carreira ligada à culinária "é como uma flor": "tens de semear, regar e cuidar – e a semente surgiu na Escola Profissional".

 

Miguel Van Uden – Curso Profissional de Técnico de Comércio (Lisboa)
Fundador e sócio do H3

miguelvanuden ensinoprofissional

A liberdade subiu a Avenida até chegar ao Saldanha
Miguel Van Uden integrou a primeira turma da Escola de Comércio de Lisboa, em 1989. Para tal, desistiu do ensino secundário em desporto, entrando numa opção que considerou "mais adequada" ao seu perfil.
Depois de completar o curso, e após 10 anos a trabalhar por conta de outrem, chegaria a ânsia pela liberdade de "fazer outras coisas".
Essa autonomia surgiria através de um projeto a três, nascido e criado na Avenida da Liberdade: o Café 3. Um espaço que foi a "antecâmara" dos hambúrgueres H3, fundados em 2007 e estreados no Centro Comercial Monumental, na Praça Duque de Saldanha. No nascimento destes negócios, relembra, a Prova de Aptidão Profissional saiu da gaveta para se mostrar útil, passada mais de uma década.
Olhando a decisão tomada há mais de 20 anos atrás, Miguel Van Uden diz-se "sem dúvidas": "foi uma boa decisão". Por um lado, assegura, a proximidade ao mercado de trabalho "traz mais bagagem", por outro, "permite o prosseguimento de estudos". Numa frase, "dá-nos mais opções". "Hoje em dia, só vejo vantagens", acrescenta.

 

Leonor de Jeus - Curso Secundário do Ensino Artístico Especializado de Dança (Lisboa)
Bailarina da Companhia Nacional de Bailado

leonordejesus2 ensinoprofissional

Com a benção de Tchaikovsky
"Simpatizei imediatamente com o ballet", recorda Leonor de Jesus. A ligação começou aos 9 anos e seria consolidada no segundo ciclo de escolaridade, com a entrada no Conservatório de Dança de Lisboa. A partir daí, seguiram-se 8 anos de estudo e prática da dança, do clássico ao contemporâneo. Durante os últimos três anos, no Curso Secundário do Ensino Artístico Especializado de Dança, Leonor revela ter encontrado uma preparação técnica intensa e o contacto com várias culturas.
Foi ainda durante o curso de Ensino Artístico Especializado que teria a possibilidade de pisar o palco pela Companhia Nacional de Bailado, devido à lesão de uma das bailarinas da companhia. Leonor agarrou a oportunidade e integrou o corpo de baile do "Lago dos Cisnes" – bailado de Pyotr Tchaikovsky com que tem, de alguma forma, uma relação especial: "ao longo do meu percurso, trouxe-me várias oportunidades", revela.
No final do curso, entraria mesmo na Companhia cumprindo um objetivo antigo: "conseguir tornar-me bailarina, sem ter de sair do país". Uma meta para a qual o ensino artístico foi muito importante, já que "o curso deu todas as ferramentas para cumprir este objetivo".

 

Embaixador #19 - David Matos – Curso Profissional de Informática e Gestão (Gouveia)
Investigador científico na área da informática

davidmatos ensinoprofissional

Do ZX Spectrum à seguraça de redes
O fascínio pela informática sempre esteve presente. Ainda em criança, David Matos já brincava com o ZX Spectrum lá de casa. Mais tarde, com 12 anos, foi autodidata nas lides da programação. Chegado ao ensino secundário, quis uma formação "mais específica" que lhe deixasse "opções em aberto". Seguindo o gosto de criança, escolheu o Curso Profissional de Informática e Gestão, na Escola Profissional de Gouveia. Este seria o passo inicial na sua relação com o estudo da Informática, onde se especializou em segurança e redes.
"Encontrei exatamente o que estava à procura", assegura o hoje estudante de doutoramento e investigador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Investigação e Desenvolvimento em Lisboa (INESC). Já depois do curso, e enquanto estudante do Ensino Superior, esteve sempre inserido no mercado de trabalho, com experiências em investigação, programação ou gestão de redes. A adaptação ao mundo do emprego foi facilitada graças "à experiência adquirida no curso profissional", garante o investigador de 26 anos, tanto pela vertente prática do curso como pelos dois estágios realizados.